Acupuntura no Tratamento de COVID-19: Um Estudo Exploratório

Peilin Sun & Wen Sheng Zhou

Palavras-chave

Coronavírus, COVID-19, acupuntura, medicina chinesa, pontos fantasma, infecção, epidemia, pandemia

Resumo

O coronavírus, COVID-19, apresentou uma ameaça séria para os seres humanos desde que o primeiro caso foi relatado em Wuhan, na China, em 31 de dezembro de 2019. Até o final de fevereiro de 2020, o vírus se espalhou para 57 países com quase 86.000 casos, e atualmente ainda não existe vacina que seja eficaz e acessível. A fitoterapia chinesa tem sido usada nesta epidemia com resultados encorajadores, mas com preocupações na perturbação da função digestiva dos pacientes. Este estudo tem como objetivo explorar o papel da acupuntura no tratamento de COVID-19, investigando a literatura atual relevante junto com textos de medicina chinesa clássica que tratam sobre epidemias. Com base nessa análise, pontos e estratégias de acupuntura são sugeridos para os profissionais usarem como um guia para o tratamento.

Palavras-chave: Coronavírus, COVID-19, acupuntura, medicina chinesa, pontos fantasmas, infecção, epidemia, pandemia.

Introdução

O Coronavírus (CoV) podem causar doenças graves como síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV) ou Síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV). O primeiro caso de um novo coronavírus zoonótico (nCoV) foi relatado em Wuhan, China em 31 de dezembro de 2019 e agora representa uma séria ameaça para os seres humanos. 1 Um mês mais tarde, o nCov se tornou um problema de saúde emergente global e foi renomeado COVID-19 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) .2 Até 29 de fevereiro (hora da redação), 38 dias após o bloqueio em Wuhan, a China reportou 79.394 casos e 2.838 mortes, enquanto 85.641 casos foram relatados globalmente em 57 países com 2.933 mortes.1 Entre os infectados, 20% estão em terapia intensiva. A OMS já liberou 675 milhões de dólares para ajudar no combate desta emergência global, cobrido o período de Fevereiro a abril, 3 e também reuniu 300 de ótimos profissionais de saúde reconhecidos internacionalmente para desenvolver uma vacina antes que o COVID-19 se torna-se pandêmico.4 Apesar dos especialistas em medicina chinesa aparentemente, não terem sido incluídos nesse investimento, na realidade muitos estudos de hospitais afetados na China informam que a medicina chinesa tem desempenhado um papel importante na batalha contra o COVID19.5,6 Decepcionados, segundo alguns médicos chineses acadêmicos, em alguns locais a acupuntura não tem destaque como um tratamento durante o curso da infecção dos pacientes, mas apenas durante o período de recuperação.7

A medicina chinesa tem uma história registrada de mais de dois mil anos em combate às epidemias, com acupuntura desempenhando um papel vital ao lado de ervas medicinais. Por exemplo, Wu Youke (1580-1660) em seu texto Zhen Jing (Cânones de Acupuntura) apontou como o Qi infeccioso ataca o corpo humano pela boca e pelo nariz e depois penetra para corpo, além de observar quais pontos de acupuntura devem ser empregados no tratamento.8

Este estudo fornece estratégias de acupuntura para tratar COVID-19 e baseia-se tanto na teoria médica chinesa clássica como na literatura atual. O objetivo deste artigo é lançar uma nova luz sobre essa urgente luta pela saúde, e ajudar os profissionais de acupuntura a contribuir para a suas comunidades locais.


Manifestações clínicas de covid-19 

Chen et al.9 e Wang et al.10 relatam uma série de casos baseados em dois hospitais separados a 10 milhas de distância em Wuhan em janeiro de 2020, que somaram um total de 237 sujeitos apresentando COVID-19. O estudo de Chen et al. documenta que dos pacientes infectados 83%  apresentaram sinais de febre e 82%  sinais de tosse, seguida por 31% de dispneia, 11% confusão mental e 8% dor de cabeça, enquanto 1% a 5% por cento dos pacientes documentados exibiram dor de garganta, piorreia, dor no peito, diarréia, náusea e vômito; Destes, 68% dos pacientes eram do sexo masculino, 51% apresentavam doenças crônicas prévias e 75% desenvolveram pneumonia bilateral. O estudo de Wang et al. relatou os principais sintomas como febre com 98,6%, fadiga 69,6%, tosse seca, 59,4%, mialgia 34,8% e dispneia 31,2%, com 54,3% dos pacientes sendo homens. A maioria dos pacientes nos dois estudos recebeu antibiótico e tratamentos antivirais. Os autores concluíram que hipertensão, diabetes, doença cardiovascular e doença maligna são comorbidades comuns do COVID-19. Wang et al. salienta que a melhor abordagem para o COVID19 é evitar a infecção em primeiro lugar, pois os medicamentos atualmente disponíveis são ineficazes.

Alguns pontos que merecem destaque dos dois relatórios:

• Existem grandes diferenças nas principais clínicas de manifestações da doença, conforme descrito nos dois estudos.

• Um número razoável de pacientes apresentou sintomas atípicos, como diarreia e náusea.

• Grandes complicações apareceram durante a hospitalização, tais como síndrome do desconforto respiratório agudo, arritmia e choque (Wang et al.).

• Textos da medicina tradicional chinesa que descrevem como epidemias foram travadas através da história da China e podem ser usados para abordar esses pontos.


O entendimento das doenças epidémicas pela medicina chinesa

O termo original em chinês para epidemia, li yi (戾 疫, literalmente “epidemia feroz”), tem uma história registrada de mais de dois mil anos. Em 524 a.C,  o rei Jing da dinastia Zhou foi repreendido por seu luxuoso estilo de vida, pois isso poderia levá-lo a contrair li (戾, qi feroz).11 Mozi (século IV aC) também menciona li yi, interpretado por Johnston (2010) como as pestilência e praga.12

Epidemias surgiram na China em larga escala dezenas de vezes desde o começo do primeiro milênio, freqüentemente ocorriam no frio e anos úmidos, conforme definido pela teoria das cinco fases.13 Um grande número de estudiosos da medicina chinesa produziram doutrinas durante ou após tais desastres e com o tempo se tornaram famoso. Zhang Zhong jing (150-129), sofreu a perda de muitos membros da família e compôs o Shang han

lun (Tratado sobre danos causados ​​pelo frio) em que expôs que frio, vento ou umidade podem invadir o corpo humano, penetrando externamente pelos canais yang do corpo, e por dentro pelos canais yin ou órgãos. Ele afirmou que li yi é agudo e infeccioso, seus sintomas se desenvolvem muito mais rápido que o típico shang han (danos causados ​​pelo frio), e pode facilmente progredir para um estágio crítico – até fatal -. É importante que os médicos intervenham com precisão e rapidez nessas doenças para conseguir reverter a situação do paciente.

Antes da dinastia Ming, a maioria dos estudiosos da medicina chinesa, acreditavam que o li yi era causado pelo frio, mas essa idéia foi desafiada por estudiosos como Ming e Wu Youke depois de experimentar várias epidemias que varreram a China, como em 1641. Wu argumentou que o frio aparece apenas a no inverno, enquanto epidemias quentes (wen yi 温疫) podem aparecer em todas as estações, e que li yi representa um Qi exógeno extremamente impiedoso que difere das seis formas exógenas usuais de Qi. Wu pensou que qualquer epidemia aguda fora de estação estaria relacionada ao calor e deveria ser tratada com fitoterápicos. Ele condenou alguns médicos por confundirem a epidemia de yi qi com shang han e, portanto, não cumprirem seu dever de tratar adequadamente os pacientes.14

A teoria da doença quente causaria muitas controvérsias; por exemplo, estudiosos da dinastia Qing Ye Lin e Li Guanxian pensaram que Wu pode ter confundido sua idéia de doença quente com epidemia devido à  fonética semelhança de seus personagens (温 quente e 瘟 epidemia – um personagem que não existia no chinês antigo).15,16 No entanto, não foi mostrado apenas como uma entrada na rima chinesa dicionário Jiyun (1037) 17 mas também foi especificamente identificado e anotado por Wu no capítulo sobre os Diversos Qi em seu texto Wen yi lun (Tratado sobre epidemias quentes).18 A controvérsia do quente versus frio ainda não foi resolvida, incluindo a conclusão de Wu, que a medicina herbal é a única cura para doença epidémica.

Independentemente de Wu estar ou não correto quanto a este ponto, a influência do clima em Wuhan sobre a crescente disseminação do COVID-19 pode ser entendida usando sua teoria. O acadêmico de medicina chinesa Tong19, bem como muitos outros estudiosos de medicina chinesa acreditam que o clima em Wuhan em dezembro de 2019, com suas contínuas chuvas e calores anormais, levaram à epidemia por promover o qi frio e úmido que prejudica o yang qi humano, particularmente no pulmão e baço. Os fatos sobre os quais esse entendimento é baseado são:

1. Os pacientes se queixam principalmente de fadiga, falta de apetite, náusea, vômito, plenitude gástrica, diarreia ou constipação, o que aponta para o frio úmido que afetam o baço e pulmão.

2. Os revestimentos de língua dos pacientes são muito grossos e oleosos (descrito como fu tai 腐 苔, um revestimento de língua que parece como coalhada de feijão podre), indicando umidade excessiva e turbidez.

Tong e sua equipe elaboraram uma diferenciação em quatro etapas e um protocolo de tratamento:

1. Umidade fria e estagnada no Pulmão;

2. Toxicidade epidêmica que bloqueia o Pulmão;

3. Obstrução visceral causando colapso;

4. Deficiência pulmonar e baço.

Posteriormente, Wang et al., 20 Ma et al.21 e Chen et al.22,23 expandem esse esboço geral com prescrições detalhadas de ervas a serem personalizadas para pacientes em suas condições individualmente. Os princípios primários do tratamento são: esquentar yang, dispersar o frio e eliminar a umidade. Os especialistas médicos de Hubei caracterizaram o vírus COVID-19 como ‘Amando o frio e tendo medo do calor’.23


O papel da acupuntura no tratamento do covid-19

É um pouco desanimador, os estudiosos entregaram estratégias pela fitoterapia, mas o tratamento com acupuntura tem recebido pouca atenção. Este artigo tem como objetivo explorar a viabilidade da acupuntura no tratamento de pacientes infectados com COVID-19, baseada em estratégias para o combate da doença com ervas publicadas de  acordo com as teorias da medicina chinesa. Professor Sun, o co-autor deste artigo, tem praticado fitoterapia chinesa e acupuntura na Europa há mais de 40 anos. Esta análise é baseada em suas observações empíricas do que é mais provável para atender pacientes europeus.

Todos os acadêmicos de medicina chinesa enfatizam que essa epidemia é caracterizada por umidade, frio e toxicidade, que pode facilmente levar ao calor e estase. O professor Sun sublinha que a chave do tratamento é identificar se o padrão é uma toxina úmida e fria que provoca calor ou mistura de toxina térmica com umidade. Em pacientes com excesso de yang constitucional, o acúmulo de frio úmido pode rapidamente se transformar em calor úmido. Nestes casos, o princípio do tratamento deve ser eliminar o frio úmido e, ao mesmo tempo, limpar o calor. A toxina térmica misturada com umidade representa um cenário diferente; Apesar da umidade também estar presente, o tratamento radicular é limpar o calor e remover toxinas, além de eliminar a umidade. E se o primeiro padrão é confundido com o último ao tratar com fitoterapia, a toxina úmida pode ser agravada mais adiante. Em geral, os princípios do tratamento primário devem ser para aumentar o estômago e o Qi do baço ao mesmo tempo:

1) Dispersar o frio e espalhar a umidade 

2) Eliminar Qi tóxico interno exalando o exterior 

3) Aumentando o Qi para eliminar a turbidez.

O Qi epidêmico ataca o corpo rápido e violentamente, portanto, as características clínicas podem mudar drasticamente e variar significativamente entre os casos. Sintomas graves podem se desenvolver dentro de alguns dias. Deve-se ter em mente as seguintes possibilidades clínicas:

• Quando o frio úmido se torna significativo, ele pode: a) bloquear os pulmões causando hipnéia; b) atacar o pericárdio causando tensão no peito, náusea, suor frio e choque; c) causar insuficiência renal yang, induzindo hematúria, desidratação, micção anormal e perda de peso; e d) danificar o estômago e o baço, levando ao vômito e diarreia.

• Quando o frio úmido se transforma em calor, oclui os pulmões e yangming (estômago e intestino grosso) resultando em febre, tosse, tensão no peito e falta de ar, fadiga, falta de apetite, náusea, vômito, inchaço, diarreia ou constipação, acabando por destruir o yin do corpo e evoluindo para a síndrome do vento endógeno.

Como evitar a contração de uma epidemia de um vírus tão feroz? O Nei jing (Inner Classic) oferece a resposta: pessoas com qi zheng (vertical) forte evitarão os piores efeitos da infecção epidêmica, apesar do fato de que todos, independentemente de idade ou sexo, possam estar contaminados24. Como cada indivíduo tem uma condição e constituição física diferente, as manifestações da doença variam, e assim uma única receita à base de plantas não pode ser universalmente eficaz para todos os pacientes. A acupuntura é realizada com os pacientes individualmente e é orientado mais para proporcionar alívio dos sintomas do que os medicamentos genéricos de decocções aplicadas durante períodos epidêmicos. Os protocolos de acupuntura do governo chinês que são relevantes, são baseados esquema de quatro etapas de diferenciação para o tratamento de COVID-19, que estão descritos abaixo.

Período de suspeita de infecção

Invasão do pulmão pelo frio e umidade: início da infecção com febre, calafrios, dores nas articulações e nos músculos, fadiga, dor de garganta, gosto amargo na boca, garganta seca, língua pálida com revestimento branco fino e pulso flutuante, ligeiramente rápido.

Prescrição de acupuntura:

Lieque P-7 + Zhaohai R-6, Waiguan TA-5 + Zulinqi VB-41 com método de harmonização.

Hegu IG-4, Fengchi VB-20, Zhigou TA-6, Neiguan PC-6, Feishu B-13, Yanglingquan VB-34, Zhongwan VC-12, Fenglong E-40 e Zusanli E-36 com método de sedação.

Frio-úmido obstruindo o baço: gastrointestinal desconforto, com possibilidade de febre, dor muscular, náusea, vômito, diarreia, distensão abdominal, fadiga, língua pálida com um revestimento branco e oleoso e um pulso com profundo atraso ou lentidão (chen-chi). Prescrição de acupuntura:

Waiguan TA-5 + Zulinqi VB-41, Neiguan P-6 + Gongsun BP-4 com método de harmonização.

Zhigou TA-6, Neiguan P-6, Feishu B-13, Yanglingquan VB-34, Zhongwan VC-12, Fenglong E-40, Tianshu E-25, Yinlingquan BP-9, Zusanli E-36 com método de harmonização. 

Período do tratamento clínico

Estágio inicial:

O frio úmido obstrui o pulmão: possível febre, tosse seca, gosto amargo na boca, garganta seca, fadiga, aperto no peito, náuseas e/ou vômitos, fezes soltas, língua pálidas ou avermelhadas com pelagem branca e oleosa com pulso macio e flutuante.

Prescrição de acupuntura:

Lieque P-7 + Zhaohai R-6, Neiguan P-6 + Gongsun BP-4, Waiguan TA-5 + Zulinqi VB-41 com método de harmonização.

Hegu IG-4, Chize P-5, Zhongwan VC-12, Yanglingquan VB-34, Zusanli E-36 e Qiuxu VB-40 com método de sedação.

Estágio intermediário:

Umidade obstruindo o aquecedor médio e o superior tosse, escarro branco ou amarelado, expectoração áspera, aperto no tórax, falta de ar, distensão do estômago, náusea, inchaço abdominal, falta de apetite, fezes soltas, língua pálida ou avermelhada, com uma pelagem branca e oleosa e um pulso flutuante macio ou fraco. Prescrição de acupuntura:

Lieque P-7 + Zhaohai R-6, Neiguan P-6 + Gongsun BP-4, Waiguan TA-5 + Zulinqi VB-41 com método de harmonização.

Chize P-5, Feishu B-13, Yuji P-10, Zhongwan VC-12, Fenglong E-40, Yanglingquan VB-34, Zusanli E-36, Tianshu E-25 e Qiuxu VB-40 com método de sedação.

Toxina epidêmica que obstrui o pulmão, calor diminui yangming: febre alta, tosse com expectoração amarela, aperto no peito, falta de ar, respiração ofegante, chiado no peito com esforço, abdome inferior inchado, constipação, língua vermelha com pelo amarelo oleoso ou seco, uma pele escorregadia e pulso rápido. Prescrição de acupuntura:

Lieque P-7 + Zhaohai R-6, Neiguan P-6 + Gongsun BP-4 com método de harmonização. 

Chize P-5, Feishu B-13, Shanzhong VC-17, Yuji P-10, Hegu IG-4, Quchi IG-11, Tianshu E-25, Fenglong E-40 e Neiting E-44 com método de sedação.

Estágio grave:

Obstrução interna causando colapso, separando yin e yang: Dificuldade respiratória grave, asfixia, podendo ser necessária ventilação), inconsciência, inquietação, extremidades suadas e frias, língua roxa, escura com revestimento espesso ou seca e um pulso grande, sem raízes e flutuante. Prescrição de acupuntura:

Baihui VG-20, Guanyuan VC-4, Qihai VC-6, Zusanli E-36, Feishu B-13, Shanzhong VC-17 e Sanyinjiao BP-6 com método de tonificação e moxabustão em Guanyuan VC-4 e Qihai VC-6.

Tianshu E-25 e Fenglong E-40 com método de sedação.

Estágio de recuperação:

Deficiência de qi no pulmão e no baço, deficiência de yuan no qi original: falta de ar, fadiga, falta de apetite, náusea, distensão e plenitude abdominais, constipação do tipo astênico, fezes soltas e pegajosas, língua inchada, pálida e com pelagem branca e oleosa, pulso profundo e lento.

Prescrição de acupuntura:

Guanyuan VC-4, Qihai VC-6, Zusanli E-36 e Taixi R-3 com método de tonificação e moxabustão em Guanyuan VC-4 e Qihai VC-6.

Feishu B-13, Pishu B-20 e Shenshu B-23 com método de tonificação.

Qi e deficiência de sangue, deficiência do fígado e do rim yin: Falta de ar, fadiga, falta de apetite, insônia, constipação astênica, rubor, suores noturnos, boca seca, inquietação, tonturas, joelhos fracos, urina escassa, língua vermelha pálida, com pêlos escamosos ou lascada, pulsos finos e fracos.

Prescrição de acupuntura:

Guanyuan VC-4, Qihai VC-6, Zusanli E-36, Sanyinjiao BP-6, Taixi R-3, Yingu R-10 e Ququan F-8 com método de tonificação.

Taichong F-3 e Neiguan P-6 com método de harmonização.

Categorias dos pontos de acupuntura

As prescrições de acupuntura deste artigo são baseadas em artigos publicados sobre o tratamento da medicina chinesa para COVID-19, informações de transmitidos pelo estado da  China, combinado com a teoria da medicina chinesa clássica, que tem sido usada para lidar com inumeras epidemias ao longo de milhares de anos. Contudo, a acupuntura é, por sua própria natureza, uma terapia individualizada. Os profissionais devem levar em consideração a condição de cada paciente, sua constituição individual, e adaptar as prescrições acima. É recomendado que os profissionais tenham em mente os seguintes pontos das categorias durante o tratamento.

Pontos fantasma

Existem muitos métodos de acupuntura praticados globalmente, cada um dos quais tem sua principal área de foco, como problemas musculoesqueléticos ou emocionais.13  O agulhamento dos pontos fantasma é um método relevante no tratamento de epidemias. Antes do século I dC, o termo yi (疫) foi associado a fantasmas ou demônios (gui 鬼), como no termo yi gui que aparece em Lunyu (Analects of Confúcio) por Confúcio (551–479 AEC), onde é frequentemente traduzido como ‘fantasma faminto’ nas traduções em inglês do texto.25 As doenças infecciosas incontroláveis – li yi – eram consideradas qi maligno e associado a fantasmas.26 Os médicos xamãs costumavam usar o termo gui (fantasma) como um termo para doenças inexplicáveis. Claro, sintomas de doenças mentais, podem fazer parte do quadro clínico apresentado durante doença infecciosa aguda.

Os pontos fantasma, aparecera inicialmente na dinastia Shang (1520-1030 EC) e foram usadas para combater epidemias na dinastia Zhou (1030-727 AEC), por exemplo, para o tratamento de coma durante o Período dos Reinos Combatentes (475-221 AEC). Esses pontos foram posteriormente recomendados por Sun Simiao (581-682) para o tratamento de doenças mentais e emocionais, como a loucura.27 O conceito gui (fantasma) deve ser visto dentro de seu contexto histórico. Durante a maior parte do período Han-Tang, frequentes guerras e epidemias resultaram em grande estresse econômico.28 Cao Zhi (192-232 CE), o príncipe do estado de Wei expressou sua tristeza por amigos que morreram durante uma epidemia em 217 EC em Shuo yi qi (Speaking Epidemic Qi), também descreveu a devastação e a desesperança das pessoas durante esse desastre. O ‘fantasma qi’ provindo de nenhuma estação, portanto, não só causou epidemias mortais, mas também um medo consequente. Ou seja, as pessoas têm mais ansiedade durante períodos epidêmicos, infectados ou não- que o agulhamento dos pontos fantasmas pode efetivamente conter. Infelizmente, desde o desenvolvimento sistemático da medicina chinesa na dinastia Han e da cultura revoluções no século 20, estudiosos da área médica começaram a evitar o uso de práticas que envolvem o termo “fantasma” para distanciar-se do xamanismo.15 Alguns autores modernos acreditam que os pontos fantasma estão realmente relacionados no tratamento do fogo yin.29 Obviamente, quando yin e yang são separados, Yang flutua para cima e para fora; e isso cria um estado volátil e desequilibrado, que o qi epidêmico feroz pode facilmente tirar proveito (e pode explicar por que certos tipos de corpo são infectados mais facilmente do que outros). No entanto, é da opinião dos autores deste artigo que esses pontos ainda podem ser válidos na luta contra a ameaça epidêmica de hoje, especialmente Shaoshang P-11 e Yinbai BP-1, que podem ser aplicados em todo o período de tratamento de COVID-19. Eles são ambos jing-well e estão localizados no final do Pulmão e no começo dos canais do baço (os principais órgãos atacados primeiramente pelo COVID-19). Suas funções são como seguir:

Shaoshang (Lesser Shang, também conhecido como Gui Xin, confiar no fantasma) P-11: Limpa o Pulmão e limpa o fogo, expulsa o mal, trata tosse e dispneia devido a patógenos exógenos qi que obstruem o pulmão, bem como dor de garganta e inchaço, congestão nasal e epistaxe.

Yinbai (Oculto Branco, também conhecido como Gui Lei ou Fantasma Fortaleza) BP-1: O Zhenjiu Jiayi jing (Clássico Sistemático Acupuntura e Moxabustão) recomenda este ponto

para tratamento de dispneia, asma, distensão abdominal, calor e plenitude no peito, diarreia violenta, dispneia em decúbito dorsal, pés frios, glomus epigástrico, náusea, vômitos e falta de apetite.

Pontos confluentes

Os pontos confluentes dos vasos extraordinários são localizados nos membros e podem ser excepcionalmente eficazes para abrir os canais e aliviar a tensão corporal. Contudo, eles devem ser tratados em uma ordem estrita. 30 Os órgãos do aquecedor superior, são os primeiros alvos obstruídos pelo qi epidêmico, seguido pelo aquecedor do meio e, finalmente, o aquecedor inferior. Portanto, para infecção aguda por COVID-19, abrir o bloqueio do aquecedor superior deve ser a primeira prioridade. As ações desses pontos podem ser resumidas da seguinte forma:

Lieque P-7 e Zhaohai R-6: regulam o qi e o sangue do peito, tórax e abdome superior, equilíbrio Ren Mai (Vaso Concepção) e Yin Qiao Mai (Vaso Maravilhoso da Motilidade) 

Neiguan P-6 e Gongsun BP-4: regulam abdominal qi e sangue, e equilibre o Chong Mai (penetrante Embarcação) e o Yin Wei Mai (embarcação de ligação Yin) • Waiguan TA-5 e Zulinqi VB-41: lançamento exterior tensão e calor claro do fígado e da vesícula biliar, harmonizar os canai colaterais Yang Wei Mai (Vaso Yang de Conexão) o Dai Mai (Vaso da Cintura) e Shao Yang.

Conclusão

Este é um estudo exploratório baseado em dados de domínio público, que tem limitações por não ter evidências empíricas. Apesar disso, é baseado em revisão bibliográfica e análise de extensa documentação. Como atualmente não há cura ou vacina para prevenir o COVID-19, explorar possíveis terapias para contribuir para esta recente saúde global crise pode ser vital. Embora os resultados de tratamento com ervas chinesas nesta área têm sido encorajadores, eles têm consequências não intencionais, como perturbações função do estômago e do baço dos pacientes. Historicamente, a acupuntura tem sido usada eficazmente no tratamento de epidemias doenças infecciosas e, apesar do descaso histórico, poderia tornar-se uma arma crucial na batalha contra o COVID-19 e outras epidemias futuras. Obviamente, os profissionais devem garantir que eles estejam adequadamente protegidos ao trabalhar com pacientes infectados, o que significa usar um traje de proteção e administrar a acupuntura em um ambiente hospitalar (que trazem seus próprios desafios). 

Evidências inspiradoras do papel da acupuntura têm aparecido desde o início de março de 2020. O professor Zou Xu é médico especialista em cuidados intensivos do Hospital Guangdong TCM. Com uma das equipes médicas de apoio do Hospital Wuhan Leishenshan, ele sempre usa acupuntura durante as inspeções da ala para ajudar pacientes infectados com COVID-19, especialmente aqueles com sintomas agudos, tais como falta de ar, tosse, tontura, insônia, inquietação, palpitações, diarreia ou vômito. O efeito de sua acupuntura é muitas vezes instantâneo. Uma paciente do sexo feminino, de 72 anos, com pressão alta e diabética queixava-se de dor lombar, então Zou agulhou o ponto Taixi R-3 e a paciente foi capaz de ficar de pé imediatamente. Zou explica que a acupuntura pode melhorar os pacientes fornecendo o consumo de oxigênio, ajudando-os a recuperar qi yuan original que bloqueia a toxicidade que ataca o Pulmão. Mais importante ainda, a acupuntura não tem como objetivo destruir o qi epidêmico, mas pode influenciar as condições de sua sobrevivência no corpo.31 A equipe de Zou estava responsável por 16 pacientes, dos quais seis pacientes se voluntariaram para o tratamento somente com a medicina chinesa; a partir de 1 de março de 2020, todos os seis se recuperaram totalmente e receberam alta de hospital.32 Em outro ‘Relatório da linha de frente em Wuhan ‘, o professor Liu Li Hong também documentou o trabalho de sua equipe no tratamento de pacientes com COVID-19 em Wuhan, enfatizando a importância da acupuntura em ajudar os pacientes rapidamente com sintomas como congestão no peito, falta de ar, dor abdominal, desconforto, coceira na garganta, tosse, tontura, dor e sudorese.33

Agradecimentos

Wen Sheng Zhou agradece a M. J. Fleming por sua ajuda editorial. Os autores agradecem sinceramente a Daniel Maxwell e o Journal of Chinese Medicine por seu tremendo esforço na publicação deste artigo.

Peilin Sun tem se engajado na prática clínica e no ensino da medicina tradicional chinesa há mais de 40 anos, escreveu e publicou muitos artigos e livros didáticos sobre o assunto. Ele é professor no Instituto voor Complementaire Zorg Opleidingen na Bélgica (www.ICZO.be), professor visitante e supervisor de doutorado em Nanjing Universidade de Medicina Chinesa e mantém prática clínica na Bélgica.Wen Sheng Zhou, é bacharel na língua e literatura chinesa, tem mestrado em acupuntura pela Universidade de Westminster (Reino Unido). Atualmente estuda para seu doutorado na Universidade de Medicina Chinesa de Nanjing e pratica acupuntura em Londres (Reino Unido).

Referências

  1. www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situationreports/20200420-sitrep-91-covid-19.pdf?sfvrsn=fcf0670b_4
  2. www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situationreports/20200301-sitrep-41-covid-19.pdf?sfvrsn=6768306d_2
  3. jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2763401
  4. www.spotlightnepal.com/2020/03/21/who-chief-urges-worldwide-solidarity-fight-covid-19/
  5. https://tinyurl.com/yble4yve
  6. www.xinhuanet.com/2020-03/10/c_1125693024.htm
  7. www.xinhuanet.com/2020-03/10/c_1125693024.htm
  8. www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.02.06.20020974v1
  9. news.sina.com.cn/o/2020-02-10/doc-iimxyqvz1760875.shtml
  10. www.jkb.com.cn/hotTopics/fyfk/zjlx/2020/0127/469111.html
  11. news.sciencenet.cn/htmlnews/2020/2/435624.shtm
  12. www.chubun.com/modules/article/view.article.php/c127/186504
  13. https://tinyurl.com/y9ofer6y
  14. www.inchem.org/documents/iarc/vol82/82-01.html
  15. https://tinyurl.com/ybt8dxmd

Traduzido do original: https://www.journalofchinesemedicine.com/the-treatment-of-covid-19-with-chinese-herbal-medicine.html

2 Responses

  • Texto interessante, oportuno e extremamente necessário. Estou com dificuldade em identificar os pontos citados. Ex.; KID, GB, BL, etc. Seria possível colocar a correspondência? Obrigada e fico no aguardo.

    • Olá Vera, te agradeço por apontar que os nomes dos pontos ainda estavam em inglês! Fizemos a correção adicionando o link para os pontos no site. Esperamos que ajude. Te agradecemos sempre que tiver alguma sugestão ou direção em algo que podemos melhorar. Saudações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *